terça-feira, 15 de abril de 2014

Quer saber mais sobre a evolução das espécies? Então assista a esse vídeo! "Nós, os fantásticos seres vivos: uma breve história sobre Evolução"



Este vídeo de animação sobre a Evolução explora como surgiu toda a diversidade de seres vivos a partir de um antepassado comum. Apresenta a árvore da vida, em que todos os seres vivos são aparentados, e explica o aparecimento de novas espécies. Fala-se ainda na contribuição dos estudos sobre evolução para outras áreas científicas e para a sociedade. Este vídeo é uma co-produção do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) e do Instituto de Tecnologia Química e Biológica (ITQB), em Portugal.


Para o Vinícius, da 606: "Niède Guidon e as Origens do Homem Americano (1990)"

Pois é, Vinícius, você não queria mais vídeos? Então aqui está. Trata-se de um documentário de 1990 com a arqueóloga Niède Guidon, para o programa Globo Ciência,  quando o Museu do Homem Americano ainda nem estava pronto. Ele traz informações muito interessantes acerca do seu trabalho à frente do Parque Nacional Serra da Capivara, no Piauí.


Tesouros da Arqueologia bem pertinho de nós: "Cagarras guardam relíquias arqueológicas" (O GLOBO)

As ilhas e rochedos do arquipélago das Cagarras, que escondem 
um precioso sítio arqueológico com artefatos tupis-guaranis

    "O arquipélago das Cagarras, a cinco quilômetros da Praia de Ipanema, esconde um precioso sítio arqueológico com artefatos tupis-guaranis. A descoberta foi feita por Rita Shell, chefe do setor de arqueologia do Museu Nacional da UFRJ, há uma semana. Conforme mostrou a coluna Gente Boa, do GLOBO, no domingo, a pesquisadora agora aguarda a autorização do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) para botar a mão na massa e, com sua equipe, descobrir mais sobre os povos que navegavam até aqueles rochedos. A autorização deve demorar cerca de um mês. Recentemente, também foram encontradas peças arqueológicas no Leblon e na Zona Portuária do Rio."



Leia mais sobre esse assunto em O GLOBO - Rio: 05/06/2012 



Fonte da imagem e texto: O GLOBO - Rio

Pinturas rupestres enfeitam as rochas do Mato Grosso do Sul

 "Assim como você gosta de rabiscar um caderno, os habitantes do Brasil pré-histórico também tinham lá suas obras de arte – só que, há milhares de anos, o local escolhido para deixá-las eram as paredes de cavernas e rochas espalhadas por aí. Conhecidos como pinturas e gravuras rupestres, muitos desses desenhos estão preservados até hoje e vão sendo, aos poucos, descobertos pelos cientistas. Uma parte importante deles está no Mato Grosso do Sul, sabia?" 
Para ler a matéria completa, clique no link:


Site da imagem: chc.cienciahoje.uol.com.br

Para a Mayara, da 602 (mas pode ser para os demais também...): FOLHA DE S. PAULO - No Piauí, Serra da Capivara guarda o maior tesouro arqueológico do Brasil

Pedra Furada, que tem sua cavidade devido à ação do vento e da chuva


   "Estudos apontam a presença do homem há cerca de 50 mil anos. Os vestígios são resultado de escavações lideradas pela arqueóloga Niède Guidon na década de 70, quando foram encontradas ferramentas que evidenciaram a presença mais antiga do homem nas Américas." RAFAEL MOSNA - ENVIADO ESPECIAL A SÃO RAIMUNDO NONATO (PI)

Para ler a matéria completa, de 09/05/2013, basta clicar AQUI.

Ainda sobre a Serra da Capivara:

E mais:


Site da imagem: www1.folha.uol.com.br

sábado, 12 de abril de 2014

As pesquisas arqueológicas no Brasil - OS SAMBAQUIS


Sambaqui localizado no Rio de Janeiro (Angra dos Reis)
(Foto: Divulgação/CNPq) 

Sambaqui em Santa Catarina
(Foto: Divulgação/CNPq)


     Outro assunto estudado foram os vestígios deixados por grupos de pescadores-coletores dos litorais sudeste e sul do país. Vimos que os sambaquis ("colina de concha", em tupi) são os locais onde estes vestígios são encontrados

    Para saber mais sobre os sambaquis, clique em: Mundo Estranho - O que são sambaquis?

    Muita gente gostou de saber que há sambaquis bem pertinho de nós... Dê uma clicadinha no link O Saquá - O jornal de Saquarema  e descubra que nesta cidade do litoral do nosso estado há verdadeiros museus a céu aberto dedicados ao tema.

Site das imagens: arquivosdoinsolito.blogspot.com

A arqueóloga brasileira Niède Guidon e as pesquisas arqueológicas no Brasil - Parque Nacional Serra da Capivara


Toca do Boqueirão da Pedra Furada 
(Pintura escolhida para a logomarca do Parque Nacional Serra da Capivara)


   Na aula de hoje, fechando o capítulo sobre o povoamento do nosso continente, falamos sobre  o trabalho da arqueóloga brasileira Niède Guidon (na foto à esquerda) à frente da Fundação Museu do Homem Americano (cidade de São Raimundo Nonato, estado do Piauí). Como não podia deixar de ser, todos ficamos surpresos com os resultados das pesquisas de sua equipe.   
    
Abaixo, está o link para o site desta fundação.


    Ao entrar no site, explore-o bastante, pois há várias informações interessantes. Não deixe de visitar, por exemplo, a página sobre as pinturas rupestres, ou sobre a megafauna da região (de há mais de 10 mil anos) - nesta, clique em cima do nome científico da espécie e aparecerão  informações e ilustrações  de como era o animal, assim como fotos  de seus restos (dentes, ossos etc.) encontrados no local.

Enfim, divirta-se e aprenda!


Site da imagem: portalsonoticias.com

Quer saber mais um pouco sobre o povo da Luzia?

   "O filme [abaixo] mostra os sítios arqueológicos de Pedro Leopoldo, na região mineira de Lagoa Santa, nos arredores de Belo Horizonte, onde foi encontrado um crânio de 11 mil anos de idade, chamado informalmente de Luzia. A área é alvo de um grande projeto de pesquisa sobre a origem do homem nas Américas coordenado pelo arqueólogo Walter Neves, do Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos (LEEH) do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB/USP). Produzido pela prefeitura de Pedro Leopoldo e pelo LEEH em 2007, o vídeo foi gentilmente cedido à Pesquisa FAPESP por Walter Neves."


Pedro Leopoldo: O berço de Luzia  




Fonte: Canal de vídeos do site da revista Pesquisa FAPESP
publicada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP (Enviado em 10/02/2010)

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Como é o Stonehenge visto de um satélite?

Para chegar ao Google Maps e ter uma visão bem do alto desse fantástico monumento megalítico, basta clicar AQUI!

Ah, e usando o Street View, você também poderá fazer um passeio virtual pelo monumento com direito a belíssimos panoramas de 360º... 



E então, o que achou???

Imagem: Print sobre Google Maps/Stoneheng 

Luzia: a brasileira (e americana) mais antiga

Reconstrução das feições do crânio de Luzia, desenterrado na década de 70 
no sítio da Lapa Vermelha (Lagoa Santa/MG)

   "O crânio mais antigo do continente, com cerca de 12 mil anos, pertencente a uma mulher (batizada de Luzia), teve suas feições reconstituídas. A partir daí, [o bioarqueólogo Walter] Neves demonstrou que elas se assemelhavam mais às dos africanos e aborígenes australianos que às dos índios atuais. Assim, os povos mongoloides - ancestrais dos índios - teriam chegado à América do Sul há cerca de 9 mil anos, substituindo totalmente os 'paleoamericanos', que se refugiaram em áreas remotas do continente até a extinção." (Thaís Fernandes - ICH - jan/2001)

    O trecho acima é parte de uma matéria publicada na revista Ciência Hojeem 2001 , logo após os resultados das pesquisas sobre o crânio de Luzia, feitas pelo bioarqueólogo Walter Neves, da USP. Segundo ele, antes da chegada dos grupos mongoloides da Ásia, que deram origem aos ameríndios, a América foi povoada por grupos negroides vindos da África e da Oceania. Para ler a matéria completa, clique no link: Luzia - Instituto Ciência Hoje.  

    Para saber mais, leia ainda "Como viviam os primeiros brasileiros" (de novembro de 2004), também no site do Instituto Ciência Hoje. Para ter uma ideia do que trata a matéria, veja o trecho abaixo: 

    "Ao supormos que os primeiros povoadores tinham feições negroides, não estamos afirmando que eles tenham vindo da África, do sul da Ásia, ou da Oceania, onde as populações negroides predominavam, e que só os povoadores posteriores tenham vindo do leste da Ásia, hoje predominantemente mongoloide. Todos teriam vindo do continente asiático, pela região do Bering, já biologicamente diferenciados em negroides e mongoloides antes da migração, ou os primeiros humanos teriam chegado à América quando as feições negroides e mongoloides ainda não estavam plenamente definidas, completando-se aqui o processo de caracterização." (Pedro Ignácio Schmitz - Unisinos - nov/2004)


Ah, você sabia que o crânio de Luzia está no Museu Nacional?  

   Sim, é isso mesmo: ele está bem pertinho de nós, lá no Museu da Quinta da Boa Vista, no setor de Antropologia Biológica.

Quer saber mais? Vá até o site do Museu Nacional - UFRJ!

Site da imagem: creationsciencenews.wordpress.com