segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

E não é que o tema da redação da reaplicação do ENEM também é nosso velho conhecido???

   Pois é... Ontem, no segundo dia de reaplicação do ENEM, a prova de redação teve como tema "Caminhos para combater o racismo no Brasil" e sim, mais uma vez, falou sobre um assunto amplamente discutido nas aulas de História desde o 6º ano no CPII do Engenho Novo II.

  Compare a folha de prova do ENEM (clicando AQUI, você irá para a matéria do G1 que traz várias informações sobre o ENEM de ontem -- inclusive a página da prova com a proposta de redação) e também os "textos motivadores" (sim, não é apenas nas minhas provas que há textos motivadores, não... Isso também ocorre no ENEM!) com duas provas de História do 6º ano: uma de 2012 e outra do ano passado.   





E aí, o que achou de mais essa coincidência???

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Ainda sobre a redação do ENEM/2016...


Como já disse, falamos sobre a importância da liberdade religiosa (e o quanto a humanidade já sofreu por conta da intolerância) em nossas aulas desde o 6º ano até hoje, no 7º – e, certamente, esse assunto estará presente nos demais que você terá pela frente, com outros professores...
Porém, uma aluna me lembrou que, além das discussões em sala de aula, na primeira certificação deste ano, também tivemos uma questão que abordou este tema... Foi quando falamos das Cruzadas, lembra? Fizemos até um paralelo sobre um atentado terrorista nos EUA, provocado por fundamentalistas religiosos, e uma certa declaração de um certo presidente norte-americano...


Imagem e autoria próprias

Liberdade Religiosa e ENEM/2016

Porque no Colégio Pedro II, tolerância religiosa, ou melhor, liberdade religiosa é assunto discutido nas aulas, pelo menos, desde o sexto ano. Até tema de prova já foi...
Mesmo ainda no 7º ano, acho que você se daria muito bem na redação do ENEM... Pode crer! 😉


Imagem e autoria próprias

Tema de redação do ENEM deste ano é nosso velho conhecido...

   Aí, pessoal do 7º ano do CPII-Engenho Novo, mesmo ainda faltando uns 5 anos para vocês participarem do ENEM – partindo de tudo o que a gente discute nas aulas desde o ano passado –, acho que teriam bastantes argumentos nessa redação, hein? 😉

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Especialmente para a 701... "Navio Negreiro"

   
Cena do filme Amistad, de Steven Spielberg, de 1997
(www.mariapreta.org)

   Apesar de eu ter prometido esse vídeo na aula de hoje para a 701 (e eles sabem muito bem o porquê...), na verdade essa postagem serve para todo o sétimo ano.  

   Na época em que a professora Carolina, hoje coordenadora de História do nosso campus, tinha um blog para o sétimo ano, ela sempre fazia essa postagem para seus alunos -- aliás, não tinha como deixar de fazer...

   "Todo ano, faço questão de mostrar aos alunos o vídeo abaixo. Extraído do filme 'Amistad' feito em 1997 por Steven Spielberg, o trecho mostra o processo doloroso do comércio de gente promovido durante séculos por africanos, europeus e americanos. Nele temos, de uma forma didática, toda a dor e desumanização de uma parcela de africanos que eram capturados por tribos e reinos rivais, ainda em África, e depois vendidos e revendidos várias vezes até que chegavam para o trabalho árduo aqui na América. 
   Para enriquecer mais ainda as imagens, temos ao fundo a leitura majestosa feita por Paulo Autran, um dos maiores atores brasileiros, do poema 'Navio Negreiro', escrito em 1869 por Castro Alves -- o que torna esta montagem realmente emocionante.  
   As cenas são fortes, porém necessárias. Porque mais forte ainda foi a realidade... Não tenha a menor dúvida disso." (Trecho adaptado de Blog de Historia do 7º ano) 

O vídeo segue abaixo.

Procure ficar atento às imagens do filme Amistad e à narração do poema de Castro Alves, feita por Paulo Autran.

(E lembre-se que, apesar de o filme ser uma obra de ficção, essas e muitas outras atrocidades realmente aconteceram com os africanos trazidos à América.) 





quarta-feira, 6 de julho de 2016

O Palácio de Versalhes

Le Château de Versailles:
700 cômodos, 67 escadarias, 352 chaminés, 1250 lareiras, 2153 janelas e... 9 banheiros

   "Maior e mais célebre palácio da França, Versalhes é o retrato ao mesmo tempo dos exageros delirantes e do requinte extremo da nobreza que mandou no país durante séculos. Também personifica o tamanho do ego de Luís XIV, que em 1682 instalou lá o governo e uma corte de aproximadamente 6 mil pessoas. Louco por luxo, contratou os melhores profissionais de cada área – entre eles o paisagista André Lê Nôtre, responsável pelos imbatíveis jardins do lugar – para que o palácio representasse não só a melhor estética clássica da França, mas também toda a sofisticação de seus mandatários." (viajeaqui.abril.com.br)

Para mais fotos de Versailles, clique AQUI.

Para ir ao site oficial de Versailles (disponível em francês, inglês, espanhol e outras línguas -- menos a nossa), clique AQUI.

Para saber mais sobre Versailles, clique AQUI

   Quer assistir a um filme (muito bom!) cuja principal locação fora o próprio Palácio de Versailles e mostra todo o luxo e ostentação da corte de Luís XVI? Sabe que filme é esse? Marie-Antoinette, de Sofia Coppola. Veja a sinopse, retirada do AdoroCinema:

 "A princesa austríaca Maria Antonieta (Kirsten Dunst) é enviada ainda adolescente à França para se casar com o príncipe Luis XVI (Jason Schwartzman), como parte de um acordo entre os países. Na corte de Versailles ela é envolvida em rígidas regras de etiqueta, ferrenhas disputas familiares e fofocas insuportáveis, mundo em que nunca se sentiu confortável. Praticamente exilada, decide criar um universo à parte dentro daquela corte, no qual pode se divertir e aproveitar sua juventude. Só que, fora das paredes do palácio, a revolução não pode mais esperar para explodir." 

Assista ao trailer:



Roteiro de estudo para a prova do dia 12/07


Até o Calvin se daria bem nessa prova de História...

I - A Reconquista e a formação de Portugal
- as lutas para a expulsão dos muçulmanos da Península Ibérica (os mouros): a Reconquista
- de feudo a reino: Condado Portucalense Portugal
- Afonso Henriques e a consolidação do reino português:
. centralização do poder político nas mãos do rei
. nobreza sob controle (com a perda de poder político)
. aproximação com a burguesia / incentivo e proteção ao comércio / cobrança de tributos

II - A Revolução de Avis
- Portugal independente x união de Portugal com Castela
. o reino dividido: burguesia + parte da nobreza + povo x a maioria da nobreza
. D. João (o Mestre de Avis) é o novo rei com o apoio (e ajuda) da maioria do reino
- o fortalecimento da aliança do rei com a burguesia
III - A expansão comercial
- a aliança do rei com a burguesia
- o incremento (tornar mais desenvolvido) do comércio marítimo
- a tomada de Ceuta
IV - As Grandes Navegações
- início do século XV: o conhecimento geográfico do mundo pelos europeus
- o porquê da expansão marítima
- o pioneirismo português
- o projeto português e o projeto financiado pela Espanha
- Ásia, África e América integradas ao sistema comercial europeu
- o etnocentrismo europeu
- uma nova visão de mundo: do homem sobre si mesmo e sobre o mundo - o antropocentrismo

Estude pelo livro (capítulos 9 e 10), pelas folhas (textos 4 e 5) e pelo caderno.

Observação: Como não tivemos a aula de sábado (devido à minha falta por motivo de doença), o item V, "formação dos Estados Nacionais", será avaliado no próximo trimestre.

BOM ESTUDO... E

BOA PROVA!

Imagem: Calvin & Hobbes

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Filme: "1492 - A Conquista do Paraíso", de Ridley Scott

(Imagem: camminus.com)

   Tudo começa com a grande luta que o navegador Cristóvão Colombo teve que empreender para conseguir o apoio necessário para realizar sua viagem, sofrendo restrições por parte dos religiosos, enfrentando o desdém dos políticos e a indiferença dos comerciantes. Somente com o apoio de um banqueiro e da rainha Isabel da Espanha foi possível reverter sua perspectiva e permitir que ele viesse a escrever seu nome na eternidade.

   O grande mérito do filme reside em nos colocar lado a lado com a trajetória de Cristóvão Colombo, acompanhando-o nas embarcações, sofrendo com ele os reveses de uma viagem longa e desgastante e triunfando com o desembarque em terras americanas em 1492. A sequência da chegada é deslumbrante, os homens se jogando ao chão, os passos de Colombo, as cores das bandeiras e os sons que acompanham esse momento permitem-nos entender como foi grandioso esse acontecimento. (Trecho adaptado do site Planeta Educação)

1492: Conquest of Paradise - Drama, França/Espanha/EUA/Inglaterra, 1992, 155 min - Direção: Ridley Scott


O filme inteiro, e dublado, encontra-se no YouTube:



A Rachel, da 706, também encontrou o filme AQUI.


BOM FILME!



Trechos do filme que requerem uma atenção especial:

porém com algumas alterações nos textos.)

  • Fé e ciência: um monge informa que a universidade de Salamanca cederá a Colombo uma audiência para que ele tente aprovar sua viagem para Oeste, em busca das Índias (que ficam a Leste). Nessa conversa, fica claro que, embora seja um homem de fé na Igreja Católica, suas convicções científicas diferem das afirmações defendidas pelos clérigos.
  • Negociação: Colombo procura convencer os intelectuais da universidade de Salamanca a aprovarem sua jornada rumo às Índias.
  • Financiamento: Colombo conhece uma pessoa que poderá conseguir uma audiência com a rainha Isabel, da Espanha, e viabilizar sua expedição. Neste trecho, é interessante observar o papel dos banqueiros no contexto das Grandes Navegações.
  • Colombo inicia a viagem: Colombo dá início a sua jornada, em direção ao ocidente, rumo ao extremo oriente, com a nau Santa Maria e as caravelas Pinta e Nina. Durante o trajeto, explica como utiliza as estrelas como guia. Nessa passagem lembre da influência da cultura árabe na península Ibérica que estudamos com a “Reconquista”.
  • América: Colombo e sua frota avistam terra firme e entram em contato com um grupo de nativos. A partir desse recorte, observe como se dá a chegada dos europeus ao “Novo Mundo”.
  • Contato com os nativos: Colombo narra sua percepção do novo mundo com bastante otimismo, ao mesmo tempo em que percebe os perigos desse paraíso na Terra. Pouco tempo depois de sua chegada, consegue estabelecer contato com os nativos, sendo recebido com desconfiança por alguns deles.

quinta-feira, 23 de junho de 2016

A ocupação muçulmana da Península Ibérica: o Castelo dos Mouros

   Postagem um tanto atrasada (em relação ao ponto da matéria em que estamos), mas acreditando no "antes tarde do que nunca", eis o que prometi sobre o Castelo dos Mouros em Sintra, Portugal.

Mas antes das fotos, vai um pouquinho da história desta construção...

As origens do Castelo dos Mouros – um castelo em ruínas compreendido entre as florestas exuberantes da Serra de Sintra – datam do séc. VIII e da invasão a Península Ibérica pelos muçulmanos do norte de África. Sua construção e localização forneciam uma visão vantajosa sobre o Rio Tejo e oferecia proteção para a cidade de Sintra. Crônicas árabes caracterizaram a região de Sintra como muito rica em campos de cultivo e o Castelo dos Mouros foi um dos mais importantes nesta região, ainda mais que o Castelo de Lisboa.
Uma Cruzada Cristã inicial, liderada pelo Rei Afonso VI de Castela, conseguiu capturar dos mouros o castelo em 1093, mas o pequeno exército foi expulso nos anos seguintes. O castelo prosperou entre a primeira cruzada e a seguinte, tendo suas muralhas reforçadas, mas tal melhoria não foi o bastante para deter a Segunda Cruzada, bem mais forte, em 1147.
Apesar de os primeiros reis portugueses fortalecerem o Castelo dos Mouros e as suas defesas, a corte real se estabeleceu em Lisboa. A importância desse castelo de Sintra foi sendo reduzida ao longo dos séculos, até que no XV os seus únicos habitantes eram colonos judeus. Quando os estes foram expulsos de Portugal em meados do séc. XV, o castelo ficou completamente abandonado. Em 1636 um raio causou um fogo massivo que destruiu a Torre de Menagem (torre central), enquanto que, em 1755, um devastador tremor de terra desmoronou suas paredes e muralhas. (Adaptado de Sintra-Portugal.com)

Seguem as fotos do que restou do Castelo dos Mouros.
























Para saber mais, acesse Parques de Sintra.

domingo, 22 de maio de 2016

E durante a "Reconquista" da Península Ibérica... Conhecendo melhor D. Afonso Henriques

Estátua D. Afonso Henriques e, ao fundo,
 o Castelo de Guimarães, onde a história de Portugal começou  

Encontrei aqui na internet uns slides muito esclarecedores com a biografia de D. Afonso Henriques, uma ótima oportunidade para quem quiser entender "quem é quem" nessa história... 


No geral, está muito boa. Vale dar uma conferida!

Basta clicar AQUI.

Imagem: youtube