sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Novo Telecurso - Ensino Médio - "Da Crise da República ao Fim do Império Romano do Ocidente" (Parte 1 de 2)

  
Cena do filme Gladiador (Ridley Scott / 2000), com o ator Russel Crowe no papel título,
em uma das famosas batalhas sangrentas do Coliseu, 
parte da política romana do "pão e circo" - panem et circenses, em latim

   Nas aulas desta semana, vimos que a República Romana foi um período de muitas conquistas territoriais, mas também de muitos conflitos sociaispatrícios cada vez mais ricos, plebeus cada vez mais pobres, escravos cada vez mais e mais numerosos - e necessários -, política do "pão e circo" para contornar a vida miserável da maioria dos plebeus e disputas entre os generais por mais poder político foram a tônica dos anos finais da república.

   Sobre este momento da história de Roma, assista ao vídeo abaixo. 


Nos próximos dias, continuando as aulas desta semana sobre o Império Romano, veremos as crises do século III e a queda do Império Romano do Ocidente. 
E a próxima postagem trará a parte final desse vídeo...
Aguarde!

Site da imagem: adorocinema.com

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

A infância em Esparta - onde o Estado tomava os meninos das famílias para treiná-los na arte da guerra (2ª edição)



   Os homoioi ["os iguais"], os cidadãos espartanos, cresciam comendo mal e viviam com fome, enfrentavam-se entre si e suportavam um treinamento militar tão intenso que até soldados do Bope pediriam para sair na primeira semana.

    "A ideia básica era deixar os meninos duros, resistentes, no melhor de sua forma física. Acima de tudo, eles tinham que ser autossuficientes e capazes de suportar a dor." - Paul Cartledge, autor de Spartans (sem edição em português) e professor de cultura grega na Universidade de Cambridge

   A restrição de comida também era parte do treinamento. Os jovens soldados recebiam apenas o necessário para sobreviver [... e em] quantidade que não chegava nem perto da saciedade. Constantemente com fome, os jovens só tinham uma solução: roubar comida. Para os espartanos, não havia problema algum em furtar alimentos - o problema estava em ser pego.

   Durante toda agoge [a educação espartana],o papel do Estado espartano era gigantesco. Não se tratava apenas de deixar o filho na escola todas as manhãs e ele crescer até cursar uma universidade, mas a entrega completa do futuro cidadão à Esparta. E só havia um caminho possível: ser soldado.

   Na prática, o que as evidências arqueológicas dão conta é que as mulheres espartanas estavam em forma - as estátuas mostram músculos definidos nos braços e nas coxas. Além disso, tinham fama de serem lindas: Helena, a mulher mais bela do mundo antigo, antes de ser de Troia e de virar a cabeça de Páris, era Helena de Esparta.



Para ler a matéria completa, acesse:



Atenção! Como vimos nas aulas, e diferente do que aparece na matéria, os hilotas - população nativa do território espartano - NÃO eram escravos. Submetidos à condição de servos a serviço de Esparta, não podiam ser vendidos nem comprados e não tinham liberdade para deixar a cidade.    

Site da imagem: recantodeapolo.com

A educação em Esparta II

   Outro trecho interessante do filme "300", de Zack Snyder, é o que trata do treinamento do rei Leônidas quando menino. É o que segue, agora.

E é imperdível!



A educação em Esparta I




               Entre os séculos V e IV a.C., período da história grega conhecido como Clássico, as cidades gregas atingiram o seu apogeu (auge, ápice), ocorrendo a consolidação da cidade-Estado como forma de organização política.  
Existiram muitas cidades-Estado, ou pólis, gregas na Antiguidade; e com histórias bastante diferentes: o mundo grego não era um Estado unificado, como vimos. Dentre elas, Atenas e Esparta eram as mais destacadas. A primeira, pelo regime democrático e pelas realizações culturais; a segunda, pelo militarismo e pela desvalorização da individualidade.  
Na aula de hoje (para as turmas de quinta-feira; com as turmas de terça, será na próxima semana), ao falarmos sobre a educação em Esparta, vimos que esta enfatizava a obediência às ordens, a resistência à dor, ao frio, à fome, à fadiga e buscava, sempre, a vitória em combate. Ou seja, o que se esperava do espartano era que ele fosse uma "máquina de guerra" insensível e obediente. Lemos sobre isso no texto de Plutarco sobre a educação dos meninos espartanos. 
No filme "300", de Zack Snyder, inspirado nos quadrinhos homônimos de Frank Miller, há várias cenas  que ilustram muito bem esse texto de Plutarco. Em uma delas, fica bem claro que espartano vivia exclusivamente para o treinamento militar. Assista a ela logo abaixo.  



Imagem: ahduvido.com

sábado, 25 de outubro de 2014

Mais mitologia grega, mais leitura e mais diversão! (2ª edição adaptada)

  Além dos livros do Sítio de Picapau Amarelo, de Monteiro Lobato (que já foram tema de postagem aqui no blog), outra coleção que me ensinou ainda mais sobre a mitologia grega foi sugestão de alunos... 


  Depois de ouvir tantos comentários sobre esses livros durante as aulas, e sempre muito entusiasmados, acabei me rendendo e comprando o box com a série completa. Li em janeiro do ano retrasado e foi muito divertido: me senti criança novamente! Sabe de qual coleção estou falando, não é? Acertou quem pensou em Percy Jackson!


Segue a sinopse do primeiro livro:  

       Primeiro volume da saga Percy Jackson e os OlimpianosO Ladrão de Raios esteve entre os primeiros lugares na lista das séries mais vendidas do The New York Times. O autor conjuga lendas da mitologia grega com aventuras no século XXI. Nelas, os deuses do Olimpo continuam vivos, ainda se apaixonam por mortais e geram filhos metade deuses, metade humanos, como os heróis da Grécia Antiga. Marcados pelo destino, eles dificilmente passam da adolescência. Poucos conseguem descobrir sua identidade.

    O garoto-problema Percy Jackson é um deles. Tem experiências estranhas em que deuses e monstros mitológicos parecem saltar das páginas dos livros direto para a sua vida. Pior que isso: algumas dessas criaturas estão bastante irritadas. Um artefato precioso foi roubado do Monte Olimpo e Percy é o principal suspeito. Para restaurar a paz, ele e seus amigos – jovens heróis modernos – terão de fazer mais do que capturar o verdadeiro ladrão: precisam elucidar uma traição mais ameaçadora que a fúria dos deuses.

Imagem de arquivo pessoal 
Fonte da sinopse: travessa.com.br

Que tal, para quem ainda não leu, ficar como sugestão de leitura para as férias de final de ano? A diversão é garantida!

Agora é vez da Guerra de Troia em filme...

   E quem quiser ainda mais opções sobre a versão lendária da Guerra de Troia, uma dica seria assistir ao filme "Troia", de Wolfgang Petersen, lançado em 2004. Para saber mais sobre o filme, leia a sinopse abaixo, retirada do site  CINE POP:   
    Na Grécia antiga, a paixão de um dos casais mais lendários da História, Páris, príncipe de Troia (ORLANDO BLOOM), e Helena (DIANE KRUGER), rainha de Esparta, desencadeia uma guerra que irá devastar uma civilização. Páris rouba Helena de seu marido, o rei Menelau (BRENDAN GLEESON), e este é um insulto que não pode ser tolerado. A honra da família determina que uma afronta a Menelau seja considerada uma afronta a seu irmão Agamenon (BRIAN COX), o poderoso rei de Micenas, que logo une todas as tribos da Grécia para trazer Helena de volta, em defesa da honra do irmão.

    Na verdade, a busca de Agamenon por honra é suplantada por sua ganância – ele precisa controlar Troia para garantir a supremacia de seu vasto império. A cidade cercada de muralhas, comandada pelo rei Príamo (PETER O'TOOLE) e defendida pelo poderoso príncipe Heitor (ERIC BANA), é uma fortaleza que nenhum exército jamais conseguiu invadir. A chave da derrota ou da vitória sobre Tróia é um único homem: Aquiles (BRAD PITT), tido como o maior guerreiro vivo.

    Arrogante, rebelde e aparentemente invencível, Aquiles não tem lealdade a nada nem a ninguém, a não ser à sua própria glória. É sua sede insaciável pelo eterno reconhecimento que o leva a atacar os portões de Troia sob a bandeira de Agamenon – mas será o amor que acabará por decidir seu destino.

    Dois mundos entrarão em guerra por honra e poder. Milhares perecerão em busca de glória. E, por amor, uma nação será reduzida a cinzas.


 A classificação etária do filme é 14 anos. 
Consulte seus pais a respeito. 

Imagem: sites.google.com

Atendendo a pedidos (Ana Júlia e Mariana V., da 602, André, Davi e Sofia, da 606 - dentre outros) de edições mais "maduras" da Ilíada, eis aqui algumas opções


Homero e seu guia
por William-Adolphe Bouguereau (1825-1905) 
A cena retrata Homero no Monte Ida, cercado por cães e guiado pelo criador de cabras Glaucus.
(Fonte: pt.wikipedia.org)

"Ilíada é o mais antigo documento da civilização helênica conhecido até agora. Por intermédio dessa fabulosa obra, que narra a saga de duas nações em guerra, pode-se ter um inestimável entendimento da Grécia antiga e dos povos que faziam parte do mundo de então." (livrariasaraiva.com.br)

[Com a Ilíada,] "o leitor conhece os motivos e as histórias que se entrelaçam com a guerra de Troia, pois foi a partir de inúmeros mitos preexistentes e suas personagens que o divino poeta Homero, fictício ou real, construiu uma obra magnífica e nos revelou os deuses e os homens num mesmo campo de batalha." (travessa.com.br)


Ilíada: A Guerra de Tróia

Editora: Odysseus


Quem nunca ouviu falar da guerra de Tróia? Essa história é até hoje muito conhecida pois tem como principal fonte um clássico da literatura universal: a Ilíada, de Homero
No entanto, a história da guerra de Tróia não se restringe ao conteúdo da Ilíada. Na verdade, nesta grande obra não constam, por exemplo, os eventos que levaram à guerra, ou o episódio do cavalo de madeira.     
Neste volume, Stephanides adicionou à Ilíada outras fontes que narram a história, incluindo fatos de grande importância para o entendimento do mito. 

    A guerra de Tróia teve sua origem bem antes de nascerem os heróis que nela tomariam parte, com a disputa entre as deusas Hera, Atena e Afrodite pelo pomo da discórdia. Esse pomo fora enviado pela deusa Discórdia durante uma festa à qual ela não fora convidada. Ele era todo de ouro e continha a inscrição: "para a mais bela". Ora, as três deusas consideravam-se a mais bela e, assim, nasceu uma desavença que duraria muito tempo. Para solucionar a causa, Zeus mandou as deusas procurarem Páris, príncipe de Tróia, um jovem muito belo, forte e inteligente. 
    Páris aceitou ser juiz da causa, mas decidiu examinar as deusas separadamente. Todas eram belíssimas, é claro, mas mesmo assim valeram-se de artimanhas para obter o pomo. Hera prometeu dar riqueza e poder a Páris; Atena prometeu fazer dele um guerreiro notável e sábio; Afrodite ofereceu-lhe a bela Helena como esposa.
    Apesar de querer fazer um julgamento justo, o jovem não pôde recusar a oferta de Afrodite, e entregou-lhe o pomo. Isso porque Helena era a mulher mais bela que já existira sobre a Terra, pois era a única filha de Zeus com uma mortal. Sua beleza era tanta que todos os jovens da Grécia queriam casar com ela, e um oráculo profetizara que ela seria a causa da mais terrível guerra de todas. Assim, quando ela se tornou moça e os pretendentes foram se apresentar ao rei de Esparta, que a criara como se fosse sua filha, eles foram obrigados pelo rei a fazer um juramento de que aquele que desposasse Helena seria defendido pelos outros se alguém a raptasse, provocando uma guerra. E a bela pôde escolher aquele que mais a agradava - e este era Menelau. 
    Anos depois, Páris soube de sua ascendência e voltou para junto de seu pai, Príamo. Tudo corria bem, até que o jovem decidiu buscar o presente que recebera de Afrodite, ou seja, a bela Helena. Então, raptou-a e a levou para Tróia.
    Assim nasceu a mais terrível guerra daqueles tempos antigos, que durou 10 anos e contou com a ajuda de diversos deuses, além de poderosos heróis como Odisseu, Aquiles e Agamêmnon, ao lado de Menelau, e Heitor e Enéias, ao lado de Páris.
    O livro de Menelaos Stephanides conta, pela primeira vez em língua portuguesa, toda a história da guerra, num panorama completo e pormenorizado deste triste e belo mito. (odysseus.com.br)


IlíadaColeção Reencontro Literatura
Editora: Scipione - Paradidáticos
Adaptação: José Angeli
   Na Grécia antiga, três deusas do Olimpo disputam o título de "a mais bela". O mortal troiano Páris é escolhido para decidir a competição. Seu voto vai para Afrodite, que, em retribuição, concede-lhe o direito de ter a mulher mais linda do mundo: Helena, esposa do chefe grego Menelau.

   Depois de seduzi-la, Páris conduz a amada para Troia, desencadeando a ira de Menelau. Assim, tem início a famosa guerra mítica entre gregos e troianos. Construída sobre as paixões humanas e divinas, a história tem como pano de fundo o eterno conflito entre o bem e o mal." (livraria.folha.com.br)




A Ilíada (em quadrinhos)
Editora: Cortez
Ilustrador: Eduardo Vetillo
Autor:Walter Vetillo

  Há muito tempo a magia da obra de Homero é inspiração para filmes, peças teatrais e romances. Igualmente, nasceu a proposta de trazê-la na linguagem dos quadrinhos, aproximando-a do jovem leitor. Misturando o amor e a estratégia, em um ambiente em que a guerra era tão comum quanto as paixões. A história fala sobre coragem e honra, sobre força e inteligência, convidando a refletir sobre quem somos e como agimos até hoje. (cortezeditora.com.br)





E ENTÃO, QUAL SERÁ A SUA ESCOLHA?

Um achado da Sofia (606): "Autópsia virtual revela a real aparência de Tutancâmon, completamente diferente de todas vistas até hoje"


   "Após vários anos de pesquisa, uma equipe de especialistas conseguiu realizar um autópsia virtual do corpo do faraó egípcio Tutancâmon, morto em 1352 a.C. e depositado em um majestoso sarcófago de ouro maciço. Dessa forma, foi possível descobrir que o antigo rei era dentuço, manco, possuía quadris largos, um pé torto e más formações de nascimento, possivelmente causadas pelo incesto a partir do qual foi gerado."

Ah, ficou curioso(a), não foi?

Para ler a matéria completa, do History, basta clicar AQUI.

Site da imagem: seuhistory.com