sábado, 25 de outubro de 2014

Mais mitologia grega, mais leitura e mais diversão! (2ª edição adaptada)

  Além dos livros do Sítio de Picapau Amarelo, de Monteiro Lobato (que já foram tema de postagem aqui no blog), outra coleção que me ensinou ainda mais sobre a mitologia grega foi sugestão de alunos... 


  Depois de ouvir tantos comentários sobre esses livros durante as aulas, e sempre muito entusiasmados, acabei me rendendo e comprando o box com a série completa. Li em janeiro do ano retrasado e foi muito divertido: me senti criança novamente! Sabe de qual coleção estou falando, não é? Acertou quem pensou em Percy Jackson!


Segue a sinopse do primeiro livro:  

       Primeiro volume da saga Percy Jackson e os OlimpianosO Ladrão de Raios esteve entre os primeiros lugares na lista das séries mais vendidas do The New York Times. O autor conjuga lendas da mitologia grega com aventuras no século XXI. Nelas, os deuses do Olimpo continuam vivos, ainda se apaixonam por mortais e geram filhos metade deuses, metade humanos, como os heróis da Grécia Antiga. Marcados pelo destino, eles dificilmente passam da adolescência. Poucos conseguem descobrir sua identidade.

    O garoto-problema Percy Jackson é um deles. Tem experiências estranhas em que deuses e monstros mitológicos parecem saltar das páginas dos livros direto para a sua vida. Pior que isso: algumas dessas criaturas estão bastante irritadas. Um artefato precioso foi roubado do Monte Olimpo e Percy é o principal suspeito. Para restaurar a paz, ele e seus amigos – jovens heróis modernos – terão de fazer mais do que capturar o verdadeiro ladrão: precisam elucidar uma traição mais ameaçadora que a fúria dos deuses.

Imagem de arquivo pessoal 
Fonte da sinopse: travessa.com.br

Que tal, para quem ainda não leu, ficar como sugestão de leitura para as férias de final de ano? A diversão é garantida!

Agora é vez da Guerra de Troia em filme...

   E quem quiser ainda mais opções sobre a versão lendária da Guerra de Troia, uma dica seria assistir ao filme "Troia", de Wolfgang Petersen, lançado em 2004. Para saber mais sobre o filme, leia a sinopse abaixo, retirada do site  CINE POP:   
    Na Grécia antiga, a paixão de um dos casais mais lendários da História, Páris, príncipe de Troia (ORLANDO BLOOM), e Helena (DIANE KRUGER), rainha de Esparta, desencadeia uma guerra que irá devastar uma civilização. Páris rouba Helena de seu marido, o rei Menelau (BRENDAN GLEESON), e este é um insulto que não pode ser tolerado. A honra da família determina que uma afronta a Menelau seja considerada uma afronta a seu irmão Agamenon (BRIAN COX), o poderoso rei de Micenas, que logo une todas as tribos da Grécia para trazer Helena de volta, em defesa da honra do irmão.

    Na verdade, a busca de Agamenon por honra é suplantada por sua ganância – ele precisa controlar Troia para garantir a supremacia de seu vasto império. A cidade cercada de muralhas, comandada pelo rei Príamo (PETER O'TOOLE) e defendida pelo poderoso príncipe Heitor (ERIC BANA), é uma fortaleza que nenhum exército jamais conseguiu invadir. A chave da derrota ou da vitória sobre Tróia é um único homem: Aquiles (BRAD PITT), tido como o maior guerreiro vivo.

    Arrogante, rebelde e aparentemente invencível, Aquiles não tem lealdade a nada nem a ninguém, a não ser à sua própria glória. É sua sede insaciável pelo eterno reconhecimento que o leva a atacar os portões de Troia sob a bandeira de Agamenon – mas será o amor que acabará por decidir seu destino.

    Dois mundos entrarão em guerra por honra e poder. Milhares perecerão em busca de glória. E, por amor, uma nação será reduzida a cinzas.


 A classificação etária do filme é 14 anos. 
Consulte seus pais a respeito. 

Imagem: sites.google.com

Atendendo a pedidos (Ana Júlia e Mariana V., da 602, André, Davi e Sofia, da 606 - dentre outros) de edições mais "maduras" da Ilíada, eis aqui algumas opções


Homero e seu guia
por William-Adolphe Bouguereau (1825-1905) 
A cena retrata Homero no Monte Ida, cercado por cães e guiado pelo criador de cabras Glaucus.
(Fonte: pt.wikipedia.org)

"Ilíada é o mais antigo documento da civilização helênica conhecido até agora. Por intermédio dessa fabulosa obra, que narra a saga de duas nações em guerra, pode-se ter um inestimável entendimento da Grécia antiga e dos povos que faziam parte do mundo de então." (livrariasaraiva.com.br)

[Com a Ilíada,] "o leitor conhece os motivos e as histórias que se entrelaçam com a guerra de Troia, pois foi a partir de inúmeros mitos preexistentes e suas personagens que o divino poeta Homero, fictício ou real, construiu uma obra magnífica e nos revelou os deuses e os homens num mesmo campo de batalha." (travessa.com.br)


Ilíada: A Guerra de Tróia

Editora: Odysseus


Quem nunca ouviu falar da guerra de Tróia? Essa história é até hoje muito conhecida pois tem como principal fonte um clássico da literatura universal: a Ilíada, de Homero
No entanto, a história da guerra de Tróia não se restringe ao conteúdo da Ilíada. Na verdade, nesta grande obra não constam, por exemplo, os eventos que levaram à guerra, ou o episódio do cavalo de madeira.     
Neste volume, Stephanides adicionou à Ilíada outras fontes que narram a história, incluindo fatos de grande importância para o entendimento do mito. 

    A guerra de Tróia teve sua origem bem antes de nascerem os heróis que nela tomariam parte, com a disputa entre as deusas Hera, Atena e Afrodite pelo pomo da discórdia. Esse pomo fora enviado pela deusa Discórdia durante uma festa à qual ela não fora convidada. Ele era todo de ouro e continha a inscrição: "para a mais bela". Ora, as três deusas consideravam-se a mais bela e, assim, nasceu uma desavença que duraria muito tempo. Para solucionar a causa, Zeus mandou as deusas procurarem Páris, príncipe de Tróia, um jovem muito belo, forte e inteligente. 
    Páris aceitou ser juiz da causa, mas decidiu examinar as deusas separadamente. Todas eram belíssimas, é claro, mas mesmo assim valeram-se de artimanhas para obter o pomo. Hera prometeu dar riqueza e poder a Páris; Atena prometeu fazer dele um guerreiro notável e sábio; Afrodite ofereceu-lhe a bela Helena como esposa.
    Apesar de querer fazer um julgamento justo, o jovem não pôde recusar a oferta de Afrodite, e entregou-lhe o pomo. Isso porque Helena era a mulher mais bela que já existira sobre a Terra, pois era a única filha de Zeus com uma mortal. Sua beleza era tanta que todos os jovens da Grécia queriam casar com ela, e um oráculo profetizara que ela seria a causa da mais terrível guerra de todas. Assim, quando ela se tornou moça e os pretendentes foram se apresentar ao rei de Esparta, que a criara como se fosse sua filha, eles foram obrigados pelo rei a fazer um juramento de que aquele que desposasse Helena seria defendido pelos outros se alguém a raptasse, provocando uma guerra. E a bela pôde escolher aquele que mais a agradava - e este era Menelau. 
    Anos depois, Páris soube de sua ascendência e voltou para junto de seu pai, Príamo. Tudo corria bem, até que o jovem decidiu buscar o presente que recebera de Afrodite, ou seja, a bela Helena. Então, raptou-a e a levou para Tróia.
    Assim nasceu a mais terrível guerra daqueles tempos antigos, que durou 10 anos e contou com a ajuda de diversos deuses, além de poderosos heróis como Odisseu, Aquiles e Agamêmnon, ao lado de Menelau, e Heitor e Enéias, ao lado de Páris.
    O livro de Menelaos Stephanides conta, pela primeira vez em língua portuguesa, toda a história da guerra, num panorama completo e pormenorizado deste triste e belo mito. (odysseus.com.br)


IlíadaColeção Reencontro Literatura
Editora: Scipione - Paradidáticos
Adaptação: José Angeli
   Na Grécia antiga, três deusas do Olimpo disputam o título de "a mais bela". O mortal troiano Páris é escolhido para decidir a competição. Seu voto vai para Afrodite, que, em retribuição, concede-lhe o direito de ter a mulher mais linda do mundo: Helena, esposa do chefe grego Menelau.

   Depois de seduzi-la, Páris conduz a amada para Troia, desencadeando a ira de Menelau. Assim, tem início a famosa guerra mítica entre gregos e troianos. Construída sobre as paixões humanas e divinas, a história tem como pano de fundo o eterno conflito entre o bem e o mal." (livraria.folha.com.br)




A Ilíada (em quadrinhos)
Editora: Cortez
Ilustrador: Eduardo Vetillo
Autor:Walter Vetillo

  Há muito tempo a magia da obra de Homero é inspiração para filmes, peças teatrais e romances. Igualmente, nasceu a proposta de trazê-la na linguagem dos quadrinhos, aproximando-a do jovem leitor. Misturando o amor e a estratégia, em um ambiente em que a guerra era tão comum quanto as paixões. A história fala sobre coragem e honra, sobre força e inteligência, convidando a refletir sobre quem somos e como agimos até hoje. (cortezeditora.com.br)





E ENTÃO, QUAL SERÁ A SUA ESCOLHA?

Um achado da Sofia (606): "Autópsia virtual revela a real aparência de Tutancâmon, completamente diferente de todas vistas até hoje"


   "Após vários anos de pesquisa, uma equipe de especialistas conseguiu realizar um autópsia virtual do corpo do faraó egípcio Tutancâmon, morto em 1352 a.C. e depositado em um majestoso sarcófago de ouro maciço. Dessa forma, foi possível descobrir que o antigo rei era dentuço, manco, possuía quadris largos, um pé torto e más formações de nascimento, possivelmente causadas pelo incesto a partir do qual foi gerado."

Ah, ficou curioso(a), não foi?

Para ler a matéria completa, do History, basta clicar AQUI.

Site da imagem: seuhistory.com

Dica de Leitura: "Ruth Rocha conta a Ilíada"

    Eis o livro que falei! É a Ilíada recontada por Ruth Rocha (pela editora Salamandra) - como a gente viu nas aulas, o mais antigo documento literário grego, atribuído ao poeta épico Homero (que, até hoje, não se tem certeza se existiu mesmo ou não...).

   Bom, mas o livro existe e sua história é bem legal!

    Abaixo, segue a sinopse que está no site da Livraria da Travessa:

    "A Ilíada é a narrativa dos últimos dias da guerra de Troia. A origem da guerra foi o rapto de Helena, rainha de Esparta, por Páris, príncipe de Troia. O marido de Helena, Menelau, juntamente com Agamenon, seu irmão e rei de Micenas, juntaram um grande exército, do qual faziam parte reis e príncipes gregos. Levaram dez anos para isso. Embarcaram em mais de mil navios. Os exércitos gregos desembarcaram nas praias defronte a Troia, onde estabeleceram seus acampamentos. O cerco de Troia levou quase dez anos a mais." 

E ainda mais Guerra de Troia!

 A Guerra de Troia teria durado cerca de dez anos e ocorrido por volta do século XIII a.C., entre os aqueus (gregos) e Troia, na atual Turquia.
    Uma das mais famosas histórias da civilização micênica, essa guerra foi narrada pelo poeta grego Homero, que teria vivido, pelo menos, 700 anos após tal fato, e seu relato escrito uns 200 anos após sua morte. Por algum tempo, era tida como totalmente mitológica, porém, pesquisas arqueológicas têm comprovado que algumas partes desse mito são, sim, muito reais...

Imagem:  Helena e Páris
por Jacques-Louis David, Museu do Louvre
(pt.wikipedia.org)

          
    No vídeo, "Guerra de Troia: ficção ou realidade", hospedado no YouTube, você terá uma análise desse tema: seja por questões pessoais (a disputa por Helena) ou por conquistas territoriais, a Guerra de Troia realmente ocorreu. 

     "A Guerra de Troia pode ter sido um grande conflito bélico entre gregos e troianos, possivelmente ocorrido entre 1400 a.C. e 1300 a.C. Segundo o poeta-épico, Homero, a guerra foi motivada pelo rapto de Helena, rainha de Esparta, por Páris, príncipe de Troia.
     A maioria de gregos clássicos admitia que a Guerra de Troia era um evento histórico, embora muitos entendessem que os poemas homéricos continham vários exageros. Por exemplo, o historiador Tucídides, conhecido por seu espírito crítico, considerava-a um evento real, mas duvidava que os gregos houvessem mobilizado a quantidade de navios (mais de mil) mencionada por Homero, para atacar os troianos.
     Por volta de 1870, na Europa, os estudiosos da Antiguidade eram concordes em considerar as narrativas homéricas absolutamente lendárias. Segundo eles, a guerra jamais ocorrera e Troia nunca existira. Mas quando o alemão Heinrich Schliemann (um apaixonado pelas obras de Homero) descobriu as ruínas de Troia e de Micenas, foi preciso reformular esses conceitos."  
(André Wagner Rodrigues, também autor do vídeo - historiaemperspectiva.com)


O vídeo segue abaixo:




  
A queda de Troia
por Johann Georg Trautmann 
Da coleção dos grão-duques de Baden, Karlsruhe. 
(pt.wikipedia.org)

Para os que querem saber mais sobre "A Guerra de Troia"

O Cavalo de Troia
por Giovanni Domenico Tiepolo


Heinrich Schliemann: "o primeiro Indiana Jones da Arqueologia"

   "Em 1873, um tesouro de 4 500 anos foi descoberto em Troia, na Turquia. Em 1945, ele desapareceu, em Berlim. Agora, ressurgiu em Moscou, reabrindo a controvérsia sobre a pré-história grega e a lenda do Cavalo de Troia. A ciência já descobriu que partes do mito são muito, muito reais."

   Esta postagem trata das descobertas arqueológicas do europeu Heinrich Schliemann, em 1873. Homem de origem pobre e deslumbrado com a Grécia, "com a imaginação incendiada pela visão de Troia em chamas, cantada por Homero, na Ilíada", foi "o primeiro Indiana Jones da Arqueologia", que "errou muito, mas descobriu Troia e ampliou sua história até a Idade do Bronze (300-1000 a.C.). Além disso, descobriu a civilização de Micenas (1600-1200 a.C.). E, antes de morrer, apontou para a civilização minoica, em Cnossos (3000-1100 a.C.), na Ilha de Creta, onde pretendia escavar, e que foi achada dez anos depois. Era muito mais do que um amador. Foi um visionário e um pioneiro".

 Para ler a matéria completa, clique no link:

SUPERINTERESSANTE / Edição 108 - 1996


Site da imagem: pt.wikipedia.org 

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Os meus livros preferidos sobre Grécia Antiga (e sua mitologia) - 3ª edição (adaptada)

   Como tantos alunos adoram a mitologia grega, resolvi pesquisar edições atuais dos livros nos quais aprendi, de maneira mais divertida, o que sei sobre o assunto.

    Os meus livros preferidos são de uma edição bem velhinha, da Editora Brasiliense, de 1973... Eles fazem parte de uma coleção: "Monteiro Lobato - Obras Completas" e são, sem dúvida alguma, alguns dos melhores livros que já li, mesmo tendo passado tantos anos, e lido tantos outros livros. 

    Na primeira vez que li Monteiro Lobato, tinha menos idade que vocês e, até depois da adolescência, foram várias as vezes em que reli. E sempre com o mesmo prazer durante a leitura e a mesma pena quando o livro acabava... Pois é, sou apaixonada por Monteiro Lobato. Fã, mesmo. Com certeza, foi ele quem despertou em mim o gosto pela leitura. Depois, vieram Machado de Assis, Gabriel García Márquez, José Saramago... Bom, mas aí já é outra história...

    Eis as edições atuais, ambas da Editora Globo: 


Os Doze Trabalhos de Hércules

    Nestas páginas recheadas de aventuras e perigos, vamos encontrar a turma do Sítio do Picapau Amarelo em uma viagem através do tempo. 
    Escondidos da avó, que fica em casa com crise de reumatismo, sob os cuidados da neta, Pedrinho, Emília e o Visconde de Sabugosa voam até a Grécia Antiga para ajudar um dos mais populares heróis da mitologia clássica. Vão acompanhar de perto as façanhas de Hércules, condenado pelo rei Euristeu a executar doze tarefas dificílimas até para um semideus como ele. Para terminar os trabalhos, Hércules terá de unir sua força gigantesca com a esperteza da boneca Emília, a “dadeira de ideias”, com a inteligência de Pedrinho, seu “oficial de gabinete” e com a sabedoria do Visconde, seu fiel escudeiro.

    Através das viagens que os personagens do sítio empreendem com Hércules, Lobato não conta só os doze trabalhos, como também os principais e mais belos trechos da mitologia grega, em uma linguagem apropriada para crianças e com uma riqueza de detalhes raramente encontrada em outros livros, mesmo para adultos.



O Minotauro 
  
    Ninguém chamou mais a atenção de Dona Benta naquela festa do que um jovem de nariz feio. A sábia senhora, matriarca do Sítio do Picapau Amarelo, encontrava-se emocionada diante de ninguém menos do que o jovem Sócrates, em pessoa, o mesmo que viria a se tornar um dos maiores filósofos de todos os tempos. Enquanto a avó e sua neta Narizinho frequentavam os elegantes salões atenienses do século de Péricles; Emília, Pedrinho e o Visconde de Sabugosa se envolviam numa aventura com os semideuses e as criaturas mitológicas da Grécia Antiga. Mas, afinal, o que o pessoal do Sítio estava fazendo tão longe do Vale do Paraíba e tantos milênios no passado? Óbvio! Eles foram até lá para salvar Tia Nastácia, que havia sido raptada por monstros no casamento da Branca de Neve enquanto se distraía com o cozimento de mil faisões... Será que eles vão conseguir trazê-la de volta?

(Fonte das sinopses: Site da Livraria da Travessa)
     

   Ah, não pude resistir: na foto abaixo, estão as minhas edições, antiguinhas, antiguinhas (com direito a sombra minha na foto)...





        Acima, ilustração (belíssima), de Manoel Victor Filho, dos deuses gregos.
    Só que esta é de um outro livro da minha coleção, "História do Mundo para as Crianças", p. 25 (que traz dois capítulos sobre a Grécia Antiga: "Os deuses gregos" e "A Guerra de Troia"). Na ilustração, aparecem:    
>  Zeus: "pai de todos e o mais poderoso. Sentava-se num trono com uma águia aos pés, tendo na mão um raio, isto é, um ziguezague de fogo. Quando queria vingar-se de alguém, arremessava este raio, seguido de um trovão." 
> Posseidon: "irmão de Zeus que governava os mares num carro carro puxado por uma parelha de cavalos-marinhos, tendo na mão o tridente."  
> Hefesto: "o deus do fogo. Era um ferreiro manco, que trabalhava numa oficina dentro da Terra."
> Hermes: "o mensageiro dos deuses, o leva-e-traz. Tinha asas no capacete e usava uma vara mágica de paz, que posta entre duas pessoas em luta imediatamente as fazia amigas."
> Ártemis: "irmã gêmea de Apolo, deusa da Lua e das caçadas."
> Atena: "a deusa da sabedoria, que nasceu dum modo muito especial. Zeus teve uma dor de cabeça horrível, que não passava com aspirina nenhuma. Desesperado, chamou Hefesto para que lhe rachasse a cabeça com um golpe de malho. Hefesto obedeceu; mas em vez de ficar a cabeça de Zeus em papas, deixou escapar, armada de escudo e lança, sua filha Atena."
> Eros: filho de Afrodite, "habilíssimo em flechar corações com flechas invisíveis." 

A Grécia hoje - imagens e outras informações (3ª edição)

Santorini, Grécia 
(Site da imagem: viagemafora.blogspot.com)

   "A ilha deve o seu nome a Santa Irene, nome pelo qual os venezianos a denominavam. Era anteriormente  conhecida por Kallístē (em grego Καλλίστη, "a mais bela"), Strongýlē (Στρογγύλη, "a circular") ou Thera (Θήρα), nome que ainda hoje ostenta em grego. Para além da ilha principal, Santorini tem nas suas proximidades diversos ilhéus, formando um grupo quase circular de ilhas, vestígio da grande erupção que despedaçou a ilha. [...] O impacto daquela erupção fez-se sentir em toda a Terra, mas com particular intensidade na bacia do Mediterrâneo. A erupção parece estar ligada ao colapso da Civilização Minoica na ilha de Creta, distante de Santorini 110 km ao sul. Acredita-se que tal cataclismo tenha inspirado as posteriores lendas acerca de Atlântida." 
(Fonte: wikipedia.org)


Para mais imagens da Grécia na atualidade, clique no link: tripadvisor.

    
    
Vista do Partenon na Acrópole de Atenas
(Site da imagem: wikipedia.org)

    "A Grécia é um dos berços da civilização europeia. Aos seus pensadores da Antiguidade devem-se grandes progressos nos domínios da filosofia, da medicina, da matemática e da astronomia. As cidades-Estado gregas foram pioneiras do desenvolvimento das formas de governo democrático. O patrimônio histórico e cultural da Grécia continua a repercutir-se no mundo moderno nos campos da literatura, arte, filosofia e política." (EUROPA - O portal oficial da União Europeia)

Para mais informações sobre a Grécia na atualidade, clique AQUI.

domingo, 12 de outubro de 2014

Algumas informações sobre as sinagogas - 3ª edição

Kahal Zur Israel  
(Congregação Rochedo de Israel)
Recife - PE
Foi a primeira sinagoga da América. 
A fachada do prédio data do século XIX e, atualmente, abriga o 
Centro Cultural Judaico de Pernambuco.
Fonte: wikipedia.org 


   Durante a greve de 2011, muitos alunos pediam, via comentários, que eu postasse mais informações sobre os judeus, último assunto estudado até então. Alguns até me enviaram links para sites que tratam do tema, como fez a Diovana, da 902 (na época, 602):

"...achei um post em um site que falava sobre as sinagogas e coisas ligadas a elas, como os objetos utilizados nos rituais e as pessoas que têm ligações ou participam (o Rabino, o Chazan, o Zelador e o Gabai). Inclusive, nesse mesmo post, achei, lá no finalzinho, a imagem, não a mesma [do livro], ...do Muro das Lamentações."

Abaixo, segue o link, para uma página do site da  
Associação Israelita de Beneficência Beit Chabad do Brasil
enviado por ela:



Mais uma vez, obrigada pela contribuição, Diovana!